Lençóis Maranhenses: Roteiro de viagem completo e Dicas

Lençóis Maranhenses é um sonho. Costumo dizer que o melhor da vida acontece por acaso e quem diria que esse “acaso” de conhecer os Lençóis Maranhenses seria assim tão fascinaste, tão lindo, tão divino.

Nunca tivemos uma lista de lugares que gostaríamos de viajar por ano. Nós sempre nos deixamos nos levar pelas oportunidades, dicas que recebemos e promoções que aparecem, é tudo pelo “acaso” mesmo. E assim foi com nossa viagem aos Lençóis Maranhenses. Surgiu uma super promoção de passagem área, bem próximo das nossas férias e compramos!

E com as passagens compradas, começamos a montar o roteiro e aos poucos a viagem foi se revelando não ser tão simples como parecia. Teríamos 10 dias de viagem e gostaríamos de visitar as 3 regiões (Barreirinhas, Santo Amaro e Atins) que abriga o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Além disso, conheceríamos um pouco de São Luís.

Lençóis Maranhenses: A imensidão divina

Lençóis Maranhenses: A imensidão divina

Eu confesso que em meio as pesquisas, tivemos vontade de desistir. Ter que fazer baldeações, andar de “pau de arara”, pegar barcos, ficar em lugares sem luz e sem internet, nos deixava ansiosos e com um pouco de medo. E assim, passamos uns 2 meses montando o roteiro e lá fomos nós. Mal sabíamos o que essa viagem nos reservava momentos como esse da foto abaixo…

Lençóis Maranhenses: Pode parecer miragem

Lençóis Maranhenses: Pode parecer miragem, mas não é…

Teríamos 3 dias no Maranhão e ficou decido que ficaríamos 3 dias em São Luís (1 dia e meio na ida e 1 dia e meio na volta) e os outros 7 dias nas cidades que cercam os Lençóis Maranhenses.

São Luís possui seus encantos, mas dá muito dó ver prédios e outras coisas que fazem parte da história do Brasil tão abandonados. O clima de insegurança na cidade é muito grande, ficávamos o tempo todo em alerta e vez por outra passava alguém falando para não entrarmos em tal rua ou guardar a câmera fotográfica. Mas graças a Deus, ocorreu tudo bem em São Luís, tivemos uma passagem tranquila e sem transtornos.

  LEIA MAIS: Centro Histórico de São Luís no Maranhão: uma beleza em risco

Na passagem por São Luís: patrimônio colocado em risco

Na passagem por São Luís: patrimônio colocado em risco

Em São Luís, quase 100% das praias estão improprias para banho, mas a orla (que é bem mais tranquila que a parte histórica) é bem bonita tem restaurantes maravilhosos como o Cabana do Sol e a Pizzaria Vignolli. Além disso, tivemos a oportunidade de conhecer o famoso São João de São Luís do Maranhão, foi uma experiência diferente de tudo que já vivemos. Apesar da insegurança que sentimos, vale muito a pena passar alguns dias em São Luís.

Gastronomia Maranhense: A Carne de Sol do Cabana do Sol e a famosa pizza (que você come de luvas) da Pizzaria Viginoli

Gastronomia Maranhense: A Carne de Sol do Cabana do Sol e a famosa pizza (que você come de luvas) da Pizzaria Viginoli

Lençóis Maranhenses: Indo em Junho na passagem por São Luís, você não pode deixar de conhecer o São João

Lençóis Maranhenses: Indo em Junho na passage

Durante a passagem por São Luís, aproveitamos para conhecer duas cidades próximas e bem tranquias: São José de Ribamar, Alcântara. Se você gosta cidades históricas, não deixe de incluir essas cidades no seu roteiro de viagem.

  LEIA MAIS: Alcântara, MA: roteiro de 1 dia na cidade que “parou” no tempo

São José de Ribamar e Alcântara: cidades próximas a São Luís que valem a pena incluir no seu roteiro

São José de Ribamar e Alcântara: cidades próximas a São Luís que valem a pena incluir no seu roteiro

 

1º dia: Chegando nos Lençóis Maranhenses de Santo Amaro

Nossa ida aos Lençóis Maranhenses, começou como uma grande aventura. Nosso primeiro destino seria Santo Amaro. Para chegar lá, fizemos contato com um serviço de vans que levam os moradores para Santo Amaro, a partir de São Luís. É a melhor maneira de se chegar em  Santo Amaro. Assim que chegamos em São Luís, combinamos por telefone com o motorista Thomaz a saída de São Luís para Santo Amaro.

E Ficou combinado que Thomaz iria nos pegar por por volta das 03h30 da manhã. Sim! 03h30 da manhã!  E para nossa surpresa,  o Thomaz foi nos buscar com seu carrinho vermelho (ele não apareceu na van, mas num carro de passeio… Oi? ), ficamos um pouco desconfiados, mas entramos no carro e seguimos.

  LEIA MAIS: Santo Amaro, o lado mais primitivo dos Lençóis Maranhenses

Logo depois, ele nos deixou em um “ponto de encontro” onde pegaríamos uma van com mais passageiros.  Menos mal, né?  E foram aproximadamente 4 horas de estrada boa até chegarmos em Sangue, por volta das o8h00 da manhã. É gente, o nome do vilarejo é “Sangue”! 

Ao chegar em Sangue, vilarejo localizado no meio “do nada”, passamos para uma 4×4 (Toyota) adaptada com bancos que cabem aproximadamente 10 pessoas, o veículo é popularmente conhecido como “pau de arara’. De Sangue até Santo Amaro, foram quase duas horas de viagem  por um caminho sem afasto, cheio de buracos, obras inacabadas, uma casinha aqui outra acolá. Em determinado lugar tivemos que descer, pois o carro não passaria com todo mundo em cima. Mais um pouco de estrada e o carro enguiçou (, Ehh, Aventura!!); e por “sorte”, enguiçou em um lugar que tinha sinal de celular e um outro carro foi chamado para continuar a viagem.

Lençóis Maranhenses: Chegada em Sangue

Lençóis Maranhenses: Chegada em Sangue

Por volta das 10 horas da manhã finalmente chegamos na Hospedaria  São José da Dona  Marineide. Todas as hospedagens de São Amaro são bem simples. E chegando em Santo Amaro,  a Marineide nos colocou em contato com os outros hóspedes para decidirmos os passeios que faríamos. Lá é assim, não existem agências de turismo e o passeio é feito pelos guias locais. Almoçamos e já partimos para o primeiro passeio.

O bom de Santo Amaro que é os passeios não são cobrados por pessoa e sim o preço do “carro” com guia, então se você consegue um grupo fica baratinho para cada um.

Lençóis Maranhenses: nossa hospedagem em Santo Amaro

Lençóis Maranhenses: nossa hospedagem em Santo Amaro

A primeira parada foi a Lagoa das Emendadas, linda como esperávamos; até aparecer alguns pássaros com vôos rasantes e nos expulsar da lagoa. Acho que elas não gostam de visitas não…rsrs  E assim o passeio seguiu por belas e enormes lagoas, nos proporcionou um pôr do  sol fantástico, encantador e apaixonante.

Lençóis Maranhenses: Lagoa das Emendadas, céu azul e o ataque das gaivotas

Lençóis Maranhenses: Lagoa das Emendadas, céu azul e o ataque das gaivotas

Lençóis Maranhenses: Lagoa das Emendadas

Lençóis Maranhenses: Lagoa das Emendadas

Nos Lençóis Maranhenses, todos os passeios são feitos em veículos 4×4, mas o veículo só pode ir até certo ponto. De um ponto em diante, é preciso fazer caminhadas em direção as lagoas.

Logo no inicio do nosso passeio quase acontecer um acidente, antes de chegar na primeira lagoa, nosso carro quase que “virou” na areia, tivemos que pular de cima do carro e foi um baita susto . Tirando esse incidente, o primeiro dia perfeito.

Lençóis Maranhenses: os passeios são feitos em veículos 4x4

Lençóis Maranhenses: os passeios são feitos em veículos 4×4

Santo Amaro abriga lagoas enormes e permanentes que chegam a ter mais de 4 metros de profundidade. E o melhor de tudo é que na maioria das lagoas só tinha o nosso grupo, isso nos permitiu aproveitar intensamente e a tirar milhares de fotos sem ninguém no fundo.

Muita gente não vai a Santo Amaro pela dificuldade de chegar, mas vale muito a pena. O lugar é bem pequeno, só têm uma pracinha, igreja, mercadinhos que em sua maioria não aceitam cartão, trailer onde você pode fazer um lanche à noite. É bem aquele retrato de cidade simples do interior que te ajuda a desconectar do celular e prestar atenção naquele céu estrelado que já não vemos na cidade grande.

2º dia: Os Lençóis Maranhenses e a Lagoa do Murici, Comunidade Betânia

O segundo dia foi maravilhoso; conhecemos a Lagoa do Murici, uma delícia com água quentinha, não queríamos ir embora. Foi bacana também conhecer a Comunidade de Betânia e seu rio com uma cor diferente.

Lençóis Maranhenses: Lagoa do Murici

Lençóis Maranhenses: Lagoa do Murici

Lençóis Maranhenses: Comunidade de Betânia

Lençóis Maranhenses: Comunidade de Betânia

Mas, nunca vamos esquecer do guia falando as opções para o almoço e depois de escolhermos frango, ele volta e pergunta: – Com sangue ou sem sangue?     Você pode ter comido galinha ao molho pardo várias vezes na sua vida, mas com sangue ou sem sangue muda toda a história. 

Lençóis Maranhenses:  Almoço na Comunidade Betânia

Lençóis Maranhenses: Almoço na Comunidade Betânia

Lençóis Maranhenses: último pôr do sol em Santo Amaro

Lençóis Maranhenses: último pôr do sol em Santo Amaro

Às 5 horas da manhã chegou o carro para nos levar de volta a Sangue e quando abrimos a porta do quarto, avistamos um gorducho sapo no corredor e literalmente saímos correndo.  Santo Amaro foi uma verdadeira aventura!

Quase duas horas depois chegamos em Sangue, atravessamos a pista e aguardamos uma van para Barreirinhas que não demorou muito. E fomos nós para mais uma hora de viagem em estrada boa dessa vez.

3º dia: Chegando nos Lençóis Maranhenses de Barreirinhas

Barreirinhas já é uma região com mais estrutura, possui alguns bancos, lojinhas, mercadinhos com bastante opção, ótimos restaurantes, várias pousadas, centro de artesanato, táxi, agências de turismo e etc.

  LEIA MAIS: Lençóis Maranhenses: Circuito da Lagoa Azul, Barreirinhas

E neste mesmo dia, já fizemos o passeio para a Lagoa Azul, super bacana, mas com um pôr do sol disputadíssimo, bem diferente do que acontecia em Santo Amaro. Nosso terceiro dia de viagem foi demais.

Lençóis Maranhenses: Circuito da Lagoa Azul

Lençóis Maranhenses: Circuito da Lagoa Azul

Lençóis Maranhenses: Circuito da Lagoa Azul

Lençóis Maranhenses: Circuito da Lagoa Azul

4º dia: Assistir um incrível pôr-do-sol dos Lençóis Maranhenses em Barreirinhas

No dia seguinte e no quarto dia de viagem foi a vez de fazer o  passeio para Lagoa Bonita. É tudo lindo demais! As dunas são bem maiores do que em Santo Amaro, as lagoas ficam próximas uma da outra o que te permite ver várias lagoas com apenas alguns passos, mas infelizmente tinham muitas lagoas secas por causa da pouca chuva.

Lençóis Maranhenses: Belo e disputadíssimo pôr do sol!

Lençóis Maranhenses: Belo e disputadíssimo pôr do sol!

Barreirinhas é um destino muito procurado pelas pessoas de mais idade e por quem possui pouco tempo para explorar os Lençóis Maranhenses, por ter estrada boa facilitando a chegada e pela comodidade de um lugar com mais estrutura. Além dos passeios, Barreirinhas tem a Avenida Beira Mar, onde ficam localizados os melhores restaurantes do local, com cardápio variado e preços razoáveis. A Avenida passou por uma revitalização em 2006 e está bem bonita. Às margens do Rio Preguiças, você com certeza terá uma noite agradável regada de música e comida boa.

  LEIA MAIS: Lençóis Maranhenses: Circuito da Lagoa Bonita, Barreirinhas

Há quem diga que visitar Santo Amaro e depois Barreirinhas é ver mais do mesmo, mas acredito que a proposta dos dois lugares são diferentes.  Santo Amaro é conhecida como ter os lagoas primitivas e está praticamente dentro do Parque. Já Barreirinhas é mais conhecida pelos turistas e está mais distante do parque, para chegar ao Parque se leva aproximadamente de 40 minutos a 1 hora numa estrada de terra com muito sacolejo.

  LEIA MAIS: Barreirinhas, MA: entrada turística dos Lençóis Maranhenses

Passamos pelos dois lugares e garantimos que as sensações são bem diferentes. Cada pôr do sol nos Lençóis é inesquecível de verdade. Sem dúvidas, é algo que você deve assistir pelo menos 1 vez na vida. Por isso, para ir aos Lençóis Maranhenses prepare a sua melhor câmera para registrar e eternizar cada momento dessa maravilha da natureza.

5º dia: Passeando pelo Rio Preguiças e chegando em Atins, o melhor lugar dos Lençóis Maranhenses

O último passeio saindo de Barreirinhas e o quinto dia de viagem foi o Rio Preguiças que é super combo de passeios que faz paradas em Vassouras, Mandacaru e Caburé. Em Vassouras, você conhece os Pequenos Lençóis, mas a grande atração do lugar são os macacos-prego. Em Mandacaru, conhecemos o Farol que para chegar ao topo, você faz uma subida bem cansativa, mas que a vista compensa. E em Caburé, você almoça e vê o encontro do Rio Preguiças com o oceano.

Farol Preguiças em Mandacaru, comunidade que fica às margens do Rio Preguiças

Farol Preguiças em Mandacaru, comunidade que fica às margens do Rio Preguiças

Chegando nos Lençóis Maranhenses de Atins

Após o almoço, seguimos nosso roteiro. Pedimos para o barqueiro nos deixar no vilarejo de Atins. Os demais turistas que estavam no passeio ficaram e após o descanso do almoço seguiram de volta para Barreirinhas.

Mal sabíamos, mas Atins seria a maior surpresa dessa viagem. A vila possui uma simplicidade no ar;  no lugar não tem luz nas ruas, não há sinal de internet e todas as ruas são de areia. Realmente não sabemos explicar o que tem em Atins, mas foram 2 dias que arrebataram nossos corações. E arrebata a todos que vão a Atins.

  LEIA MAIS: Atins nos Lençóis Maranhenses: um vilarejo mágico escondido

Sabe um lugar que você vê a Lua de um lado é o Sol de outro? Esse lugar é Atins. É algo que nos desliga do mundo e nos faz viver intensamente aquele momento simples. E mesmo depois de muito tempo longe de Atins, você sente Atins! Em Atins, além das Lagoas, tem o mar. Chegamos em Atins e ficamos hospedados na Pousada do Irmão que ficava bem próximo a praia, então aproveitamos para apreciar o pôr do sol.

6º dia: Conhecendo a Lagoa Tropical e Canto de Atins

No dia seguinte e 6º dia, acordamos bem cedo e fomos caminhando até a praia para ver o nascer do sol. Após, iniciamos o dia de passeio em Atins. A intenção em Atins era conhecer a Lagoa Verde, mas dias antes da nossa chegada ela “estourou” (quando a lagoa enche demais, transborda e deixa de existir). Assim então fomos conhecer a bela Lagoa Tropical. As lagoas de Atins possuem águas geladas.

Depois fomos almoçar no restaurante do seu Antônio e conhecer seu famoso camarão. Gente, muito bom mesmo! Depois do almoço você ainda pode descansar numa rede, é tudo de bom. Tinha gente do mundo todo por lá; realmente foi difícil acreditar como pessoas vindas de Bangladesh foram parar em um lugar tão escondido como Atins.

  LEIA MAIS: Canto de Atins, Maranhão:  O camarão da Luzia ou do Antonio?

Durante à viagem, uma amiga insistiu que fossemos ver os plânctons na praia durante à noite (Mas o que são plânctons??) e lá fomos nós ver os “tal dos plânctons”. Durante essa viagem, formamos um grupo bem legal e que por coincidência tinha o mesmo roteiro que o nosso. E foi com esse grupo que fomos à praia. Como em Atins não tinha luz, levamos nossas lanternas para chegar até à praia.

  LEIA MAIS: Lençóis Maranhenses, Atins: conheça a Lagoa Tropical

Chegando na praia ficamos todos bastantes perplexos. Um céu super estrelado que iluminava o mar, um ventinho morno que nos envolvia e uma água quentinha que banhava os nossos pés. Desligamos nossas lanternas para podermos apreciar melhor aquele momento tão espetacular.

Para ver os plânctons iluminados, passávamos os pés bem delicadamente sob às águas e uma luzinha acendia e por alguns minutos voltamos a ser crianças. Foi divertido e encantador.

Nossos corações ainda palpitam quando nos lembramos de cada detalhe! Apesar de simples, Atins realmente é um lugar muito especial.

Posso dizer com toda certeza que essa viagem nos tornou pessoas melhores. Por mais que você tenha ouvido falar de todas essas coisas quando você vê de perto é bem diferente.

Nós vimos aquelas casinhas feitas de barro que só víamos na TV; era uma casinha aqui e outra bem longe. Imaginamos a dificuldade para tudo; ir a escola, médico, trabalho. Vimos crianças andando uma distância imensa de pelo menos duas horas ou mais, numa estrada sem asfalto, sem luz e cercada de mato. O dia que o carro não passava, eles só podiam estudar indo a pé. E lá estavam eles brincando e cantando pelo caminho. Foi duro voltar para o Rio e ver “crianças” voltando pra casa simplesmente porque o ônibus que os levava para escola estava cheio.

Ver aquelas dunas e lagoas tão lindas; o nascer do sol em atins; o pôr do sol nos lençóis e pensar como Deus é grandioso e que jamais o homem poderia fazer tal proeza, é fascinante.

Tudo nos fez pensar nessas pessoas que tem muito menos do que nós e pareciam ser mais felizes. Isso nos fez dar mais valor a vida, as oportunidades que temos, nos fez aproveitar mais cada viagem ao máximo e em cada destino sempre vemos o nascer ou pôr do sol, para que não esqueçamos que existe algo mais belo e maior do que nós.

Sim, recomendamos mil vezes que você faça essa viagem aos Lençóis Maranhenses pelo menos uma vez na vida e passe por Atins para que você veja como é bom de vez enquanto desconectar do mundo e ficar em contato com a natureza.

Uma viagem só vale a pena quando ela te transforma, quando abriu seus horizontes e deixou seu coração cheio de saudades, sua cabeça repleta de lembranças e se dessa viagem você trouxe amigos, então valeu a pena.

“Tudo o que eu tenho de valor são as minhas memórias.”


4 Comentários

  1. Juliana disse:

    Simplesmente apaixonada por esse relato. Por pouco não escorreu uma lágrima. Consegui sentir tudo que vc escreveu. Estou muito mais ansiosa pela minha viagem, com mil expectativas. Espero não me decepcionar, mas eu já me sinto feliz só de imaginar =D

  2. Brisa disse:

    Muito tocante o seu relato. Vou voltar aos lençois pela terceira vez na vida, mas pela primeira vez depois de ‘adulta’. Tenho certeza que vou enchergar esse pedaço de paraíso com um olhar mais sensível, e fiquei muito feliz ao encontrar os seu relato agora durante o planejamento da viagem, obrigada por compartilhar suas experiências.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Kelly & Wallace

Somos um casal apaixonado por viagens, gastronomia e fotografia. Somos "aprendizes" de mochileiros e juntos estamos aprendendo a desbravar o mundo.

Você vai adorar também...