Salar de Uyuni: roteiro completo no deserto de sal da Bolívia.

O Salar de Uyuni é algo inóspito, inédito, impactante e estonteante. E por mais que a gente tente classificá-lo com diversos adjetivos, é difícil descrevê-lo. É aquele tipo de aventura que você precisa fazer uma vez na vida. Nunca estivemos em nada igual, nunca sentimos nada parecido. É indescritível.

Através desse post, você vai ficar sabendo como chegar, a melhor época para ir, o que levar e de todos os detalhes dessa fantástica aventura no famoso Salar de Uyuni. Além disso, você vai acompanhar desde o momento que decidimos ir, o planejamento, as histórias, vantagens, desvantagens, escolha da agência, os acertos e os perrengues dessa incrível aventura no deserto boliviano.

Salar de Uyuni: Carros que levam você para o passeio
Salar de Uyuni: Carros que levam você para o passeio

Sobre o Salar de Uyuni

Localizado nos altiplanos bolivianos, a mais de 3600 metros de altitude, o Salar de Uyuni já foi um imenso lago na pré-história e hoje é a maior planície de sal do mundo e guarda (dentro e no seu entorno) uma das paisagens mais estonantes do planeta Terra.

Salar de Uyuni: Imensidão de sal que parece neve
DSalar de Uyuni: Imensidão de sal que parece neve

São desertos, lagunas salgadas, coloridas, gêiseres, montanhas e imponentes vulcões. Não tenha dúvidas que o Salar de Uyuni irá te surpreender e será o ponto alto de um Mochilão pela América do Sul. Certamente, se você está em busca de um destino diferente de tudo que você já viu, você precisa visitar o Salar de Uyuni.

Salar de Uyuni: Vá direto ao que você procura.

Preparado para embarcar nessa aventura? Vamos lá! 

Como ir para o Salar de Uyuni

Para visitar o fascinante Salar de Uyuni na Bolívia é necessário embarcar em um longo passeio que pode durar 1 a 4 dias. Mas, isso vai depender muito da sua disponibilidade e de qual lugar você irá iniciar o passeio. Como nós estávamos fazendo uma viagem de 1 mês (um Mochilão entre Chile, Bolívia e Peru), tínhamos razoavelmente um tempo mais longo.

Você pode fazer este passeio partindo da cidade de Uyuni na Bolívia ou de San Pedro de Atacama no Chile. Nós estávamos em San Pedro de Atacama e lá vimos oferecerem o tour de 3 dias que termina em Uyuni e o o tour de 4 dias, que foi a nossa escolha, pois retornava para San Pedro de Atacama.

Melhor época para visitar o Salar de Uyuni

Não existe uma melhor época para conhecer o Salar de Uyuni, isso depende mais de como você é e do que quer ver. Durante o inverno você vai pegar temperaturas bem baixas, então é preciso estar preparado e com as roupas adequadas. Nessa época é mais seca, então é possível ver o Salar de Uyuni com as formas geométricas e até os vulcões e montanhas com neve.  Durante o verão faz calor e é mais chuvoso e isso vai te permitir ver o Salar de Uyuni espelhado, mas acaba sendo um risco, pois a chuva pode acabar estragando seu passeio, se a rota tiver que ser alterada.

Nós fomos no meio do mês de abril, pegamos o Salar de Uyuni bem seco, mas com as formas geométricas; as temperaturas durante a parte da manhã e noite eram bem baixas, mas fazia muito calor durante o dia.

Como é a temperatura de noite e de dia no Salar de Uyuni

No inverno as temperaturas são rigorosas e, no verão, mais quentes, chegando a fazer calor em alguns momentos do dia. Na cidade de Uyuni, que dá nome ao salar, a temperatura média anual é de -6ºC; no inverno as médias estão em torno de -12ºC e, no verão, de 1ºC. Durante o ano inteiro em alguns pontos do passeio como a Laguna Blanca e Laguna Verde as temperaturas são bem baixas, mesmo com o sol e céu limpo, mas faz calor em alguns momentos do dia. Veja abaixo mês a mês as médias de temperatura e chuva no Salar de Uyuni.

  • Salar de Uyuni durante a primavera: o clima de primavera é um pouco frio. O período vai de setembro a dezembro com temperatura máxima de 18º e a miníma de 1º.
  •  Salar de Uyuni durante o outono: o clima de outono é frio e seco. o período vai de março a junho com temperatura máxima de 16º e a miníma de 5º.
  • Salar de Uyuni durante o verão: o clima de verão é agradável com algumas chuvas rápidas durante o dia. O período vai de dezembro a março com temperatura máxima de 18º e a miníma de 5º.
  • Salar de Uyuni durante o inverno: O clima de inverno é bem frio e seco, é considerado um período seco e não chove. O período vai de junho a setembro com temperatura máxima de 13º e a miníma de -3º.

Planejando uma viagem para o Salar de Uyuni

Quando estávamos preparando o roteiro para o nosso Mochilão na América do Sul, tivemos muitas dúvidas sobre incluir ou não o Salar de Uyuni. Eram muitas dúvidas, inseguranças e até um certo medo. Apesar de muito conhecido por aventureiros e mochileiros de todo mundo, o salar era totalmente desconhecido para nós. E como seria nossa primeira aventura do gênero, buscamos todas as informações possíveis para que tudo corresse da melhor maneira possível.

Percorrer 3 países da América do Sul e visitar o Salar boliviano, eram viagens impensáveis há tempos atrás. Mas, aí que está o grande barato de viajar: Conhecer um novo destino lhe faz quebrar paradigmas, você passa a olhar o mundo de outra forma. E é verdade que depois que mergulhamos no “mundo das viagens”, nosso olhar e perspectivas sobre destinos mudou. O que antes não era considerado, passou a ser desejado e o que antes era indesejado, passou a ser considerado. E assim seguimos, alternando sentimentos e ampliando nossos olhares a cada destino visitado.

Depois de tanto pesquisar, ler ótimos relatos e até alguns bem assustadores nós decidimos: iríamos arriscar: o Salar de Uyuni estaria sim em nosso roteiro de  Mochilão pela América do Sul. Uhruuuuuul!!!!  #PARTIUSALARDEUYUNI

Antes de começar a planejar sua viagem ao Salar de Uyuni, você precisa saber:

  • Vacina para Febre Amarela: Para entrar na Bolívia é exigido um certificado Internacional de Vacina contra febre amarela. Esse certificado é super tranquilo de tirar. Nós moramos no Rio de Janeiro e tomamos a vacina no Centro Especial de Vacinação Dr. Álvaro Aguiar da Prefeitura do Rio, que fica localizado no Centro da cidade, foi gratuito e rápido. Lá, você informa os países que vai visitar e eles emitem o certificado. É bem simples. Durante a viagem não pediram o certificado, mas é bom não arriscar e colocar em risco todo um planejamento por causa de uma vacina.
  •  Mala ou Mochila: Essa é uma polêmica que sempre vai existir. Nós levamos uma mala média, mas há quem defenda com unhas e dentes o uso da mochila. O ideal é que você reflita sobre o que é melhor para você. No nosso caso, nós já tínhamos as malas, então já seria um economia senão tivéssemos que comprar mochilas. Sem falar que muitos carregam um mochilão, uma mochila de ataque e mais uma bolsa. Não parece ser muito prático não, sem falar no peso. Tanto o mochilão quanto a mala você precisará despachar seja no avião ou no ônibus. Por isso, reflita e decida o que é melhor para você.

Cada um levou 1 mochila pequena e para o casal levamos 1 mala média e 1 mala pequena. As duas malas eram de rodinhas 360 graus. Na mala pequena levamos produtos de higiene, roupas íntimas e acessórios fotográficos. Na mala média roupa dos dois para 26 dias. Então, ficou um mochila e uma mala para cada um. Bem compacto e prático. Quando fomos para o Salar deixamos a mala média no hostel e levamos a mala pequena com itens dos dois para os 4 dias.

Salar-de-Uyuni-Lista-O-Que-Levar A dica é que você leve roupas que possam fazer camadas, assim conforme for ficando calor ao longo do dia você pode ir tirando.

  • Escolher uma bota: Dois fatores importantes são que a bota seja macia e que o solado seja adequado para trilhas e caminhadas de longa distância. Eu usei uma bota da marca: Nord, que era impermeável e adorei. Super confortável e fácil de limpar. Wallace, usou uma bota da marca: Bull Terrier, que era de couro, também super fácil de limpar e muito confortável. Valeu a pena o investimento. A dica é: EXPERIMENTE! Não adianta escolher pelo preço e no meio da viagem você não aguentar mais ficar com a bota.

 Se puder, leia também outros relatos na web de pessoas que tiveram sucesso no passeio:

 Não queremos lhe assustar, mas seria bom você ler alguns relatos de passeios que NÃO deram certo:

Agência de turismo que faz o passeio para o Salar de Uyuni

Enquanto montávamos o roteiro do mochilão pesquisamos muito sobre as agências que ofereciam este passeio; fizemos vários orçamentos e no final decidimos que fecharíamos o passeio no local. Isso nos deu margem para negociar com todas as agências que visitamos.

Como falamos anteriormente, nosso passeio saiu de San Pedro de Atacama, mas você também pode fazer esse passeio de Uyuni.

Em San Pedro de Atacama há muitas agências que oferecem o passeio para o Salar de Uyuni. E os preços variam muito!! Além de preço, sugerimos que você levante as avaliações da agência escolhida utilizando o TripAdvisor.

Depois de ler tantas histórias, estávamos muito preocupados com essa escolha, principalmente pela nossa segurança durante o tour.  Durante os 3 dias que passamos em San Pedro de Atacama, visitamos quase todas as agências e estávamos decididos a fechar com a Cordillera Traveller, mas quando fomos acertar o pagamento do passeio, fomos pegos de supresa: Eles já estavam com os carros lotados para os próximos dias. Não restou outra alternativa. Teríamos que procurar outra agência 1 dia antes do embarque. Na própria Cordillera Traveller recebemos a indicação da Cruz Andina e decidimos arriscar.

 VALOR DO PACOTE POR PESSOA 130.000 pesos chilenos = aproximadamente 676 reais.

Por ser uma agência menor e não tão conhecida, alguns podem até desconfiar. A Cruz Andina não ficava localizada na Rua Caracoles (principal rua de San Pedro de Atacama e onde está localizada as principais agências), não possuía vários carros e parece ser uma empresa que é composta por membros da mesma família.

 Ao pesquisar na internet, notamos que a Agência cresceu, mas continua com ótimas recomendações. A Cruz Andina mudou de endereço e hoje está localizada na  Rua Caracoles 419 – B14.

Foi a melhor escolha que fizemos! O nosso guia Edgar era super experiente, animado e atencioso. Tivemos banho quente todos os dias, refeições fartas e em locais fechados. Vimos várias agências almoçando com o pessoal no sol.

Não temos nada a reclamar da Cruz Andina, o passeio foi muito melhor do que as expectativas.

Clique aqui para ver as recomendações da agência no TripAdvisor.

Diário de Viagem: Como foi o nosso roteiro de 3 dias pelo Salar de Uyuni

1ª dia: Imigração Boliviana, Laguna Blanca, Laguna Verde, Águas Termais e Laguna Colorada

Normalmente as agências buscam os viajantes nas pousadas, hotéis e  hostels. Pontualmente às 07h00 da manhã uma van da Cruz Andina apareceu na porta do nosso hostel! Embarcamos e rapidamente já fizemos nossa primeira parada.

É na Aduana Chilena (toda vez que você entra e sai do território nacional, você tem que fazer essa parada), que os agentes da imigração do Chile vão verificar seus documentos e carimbar seu passaporte. Vale sempre lembrar que em nenhum dos países que visitamos o passaporte é obrigatório. E caso você NÃO tenha um passaporte, é preciso estar com RG em bom estado.

Para quem não sabe o que é Aduana (Não fique com vergonha!), ai vai a definição do Google: Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe ad-dīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controle do movimento de entradas e saídas de mercadorias para o exterior ou dele provenientes, responsável, inclusive, pela cobrança dos tributos pertinentes.

Chegando na Aduana é formada uma fila dos carros das agências e os guias vão conduzindo um grupo por vez para passar pelo guichê. Os agentes chilenos só verificam seus documentos. Nenhum valor é pago para sair do Chile através de San Pedro de Atacama.

Depois da Imigração Chilena é que começa a grande aventura, depois de alguns minutos na estrada, você chegará na entrada da Imigração da Bolívia. E lá enormes filas de carros se formam. É preciso ter paciência! Consideramos que esse seja um dos momentos mais tenso da viagem.

Imigração Boliviana
Imigração Boliviana

Como o local fica numa área altíssima, montanhosa onde faz bastaaaaante frio e venta muuuuito. Você vai achar que vai morrer de frio! Durante a espera para passar na imigração, a agência serve o café da manhã. Então, todos aproveitam para tomar chá de coca ou chocolate quente para tentar diminuir o frio.

Fazia um dia lindo de céu azul, mas a temperatura era baixíssima. Acreditamos também que a ansiedade faz com que esse momento seja bem complicado. Tudo que você quer é que o passeio comece logo.

Para quem vai passar por isso uma dica: Já deixe os casacos, tocas e luvas fora da mala na saída de San Pedro de Atacama. Você vai precisar deles!

A estrutura da Aduana Boliviana é bem diferente da Chilena. Não existe nenhum local para abrigar os visitantes e a instalação parece mais “barraco” no meio do nada. Lá os agentes vão olhar seus documentos, carimbar seu passaporte e lhe cobrar uma pequena quantia (às vezes eles não cobram NADA, mas às vezes cobram para sair da Bolívia).

Apesar de não ser uma prática honesta e regular, sugerimos que você faça esse pagamento se for solicitado.

VALOR GASTO NA FRONTEIRA DA BOLÍVIA:  15 bolivianos = aproximadamente 7 reais.

fique-ligadoSe você sair do Chile, na fronteira eles vão trocar você para outra agência. E isso é uma prática, principalmente para agências novas. Então, procure se informar sobre isso e o nome da agência boliviana e busque referências sobre ela.

Antes mesmo de passar pela Imigração Boliviana, fomos transferidos para uma agência boliviana. Isso normalmente acontece com as agências menores. Para falar a verdade,  só vimos a Cordilheira Travel seguir com mesmo guia e carro. Então, não estranhe se isso acontecer contigo. Só procure saber o nome da agência boliviana e busque suas avaliações na internet.

Entrada do Parque Nacional Eduardo Avaroa

Após a Imigração Boliviana, o passeio segue para uma nova parada: a entrada do Parque Nacional Eduardo de Avaroa. Todos os locais que você vai passar durante os 3 dias de passeio (inclusive o Salar) fazem parte dessa reserva.

A Reserva Nacional da Fauna Andina Eduardo Avaroa, fica na região de Potosí e não muito distante da Fronteira com o Chile e da Argentina.

Além de comprar sua entrada, a polícia boliviana vai verificar seu passaporte e liberar sua entrada no parque.

VALOR PARA ENTRAR NO PARQUE 150 bolivianos = aproximadamente 70 reais.

Agora finalmente o passeio começa! E a primeira parada é na geladíssima Laguna Blanca. E dessa Laguna, você faz uma breve caminhada em direção a Laguna Verde, com água na cor esmeralda que torna tudo um verdadeiro espetáculo. É realmente de deixar o queixo caído e o lindo céu azul deixa tudo ainda mais belo, porém o frio que fazia era tanto que congelava o nosso sorriso e por isso, tínhamos que tirar fotos o mais depressa possível.

Laguna Blanca: Frio e muito vento!
Laguna Blanca: Frio e muito vento!

A Laguna Verde possui essa essa cor devido a alta concentração de minerais e ao fundo o imponente vulcão Lincancabur. É ou não é linda essa Laguna Verde?

Salar de Uyuni: Dá para acreditar na cor dessa água?
Salar de Uyuni: Dá para acreditar na cor da água da Laguna Verde?

Depois das Lagunas e as paradinhas, chegou a fora de relaxar nas Águas termais pra espantar um pouquinho do frio boliviano.

A piscina não é muito grande, mas a água é cristalina e a temperatura varia entre 35 e 40 graus. Na piscina, só Wallace entrou e ele super curtiu até que em um determinado momento que nosso guia  apareceu e mandou todo mundo sair, informando que a água era tóxica e não poderia ficar mais de 10 minutos! Oi??? Ele poderia ter falado isso antes, não é?  Acho que o MAIOR problema será sair e encarrar novamente o vento e a temperatura geladíssima.

Uma piscina de águas termais no meio do deserto.
Uma piscina de águas termais no meio do deserto.

Depois de zilhoes de fotos na piscina, chegou a hora do almoço. O almoço foi no mesmo lugar onde ficam as termas. Tudo muito gostoso. Teve arroz, carne, salada e refrigerante. Essa turma abaixo era é o nosso grupo. Duas mineiras e duas suíças. Gente muito boa que adoramos conhecer. Esse também é o bom de viajar, você conhece pessoas e se abre a diferentes histórias.

Nosso grupo nos 3 dias de passeio
Nosso grupo nos 3 dias de passeio

Depois do almoço, o passeio continuou e demos uma parada no Geisêres Sol de  Mañana, mas como já estava na parte da tarde a atividade fica um pouco diferente e tudo que você vê é uma fumaçada de enxofre que não é nada legal e tem um cheiro terrível. Acho que esse ponto turístico poderia ser pulado facilmente.

Geisêres Sol de Mañana: Fumaça que faz parecer que você está no céu.
Geisêres Sol de Mañana: Fumaça que faz parecer que você está no céu.

A última parada do dia foi a Laguna Colorada. E chegando por lá não tem como não se apaixonar por essa obra da natureza. O tom dela é realmente incrível.  Além da beleza singular, neste lugar você verá os famosos flamingos. Quer dizer, você vai tentar ver, pois o flamingo não tira a cabeça de dentro da água. Eles passam quase o tempo todo assim em busca de alimento. Com muita paciência você consegue uma fotinho.

A paisagem estonteante da Laguna Colorada
A paisagem estonteante da Laguna Colorada

Seguimos então em direção a nossa primeira hospedagem. Mas, parece um eternidade para chegar até lá. São seis pessoas no grupo, além do motorista; uma na frente (sem dúvida o mais sortudo), três pessoas no meio (não sobra muito espaço para se mexer) e duas atrás (um pouco melhor de quem está no meio, mas também não dá para esticar as pernas). Chega uma hora que fica muito desconfortável, você não consegue mexer suas pernas, a sua bunda dói de tanto ficar sentado e o carro precisa ficar fechado por causa da quantidade de poeira e mesmo fechado você ainda respira poeira. Em um dado momento eu já não aguentava mais e perguntei ao guia quando tempo faltava e ele me informou que pelo menos 30 minutos.

Eu olhava pra frente e via vilarejos, era tomada por alegria achando que finalmente estava chegando; mas, quando se aproximava mais, era tudo pedra. Eu já tava alucinando de tão cansada. rsrsrs. E isso aconteceu algumas vezes, até que enfim chegou.

Essa foi a nossa hospedagem do primeiro e do terceiro dia. Teve banho quente e comida boa. Logo que chegamos por volta das 17hs foi servido um lanche, com biscoitos e chá. E às 19hs o jantar, sopa de legumes e macarrão com molho. No café da manhã tinham várias opções, mas a panqueca doce estava simplesmente sensacional.

Hospedagem do primeiro e último dia de passeio
Hospedagem do primeiro e último dia de passeio

Eu passei esse primeiro dia muito bem, mas durante a noite acordei me sentindo muito mal e não há o que fazer além de tomar um remédio e rezar para passar. A gente fica em uma hospedagem que não tem nada em volta, por isso é importante levar sua “farmacinha” e não exagerar nos passeios. Outras pessoas do grupo também sentiram os efeitos da altitude durante a noite. Fica a dica: Antes de dormir tome 1 Aspirina para dor de cabeça, mesmo que você esteja bem.

2ª dia:  Deserto de Salvador Dalí, Laguna Negra, Cemitério de Trens e Hotel de Sal

O Deserto de Dalí recebeu esse nome por se assemelhar muito com as paisagens dos quadro de Salvador Dalí.  O Deserto de Dalí ainda está na Reserva da Fauna Andina Eduardo Avaroa, com uma área de 110 km quadrados e está a 4740 metros acima do nível do mar.

É dia de soltar a imaginação! Tem pedra lembra um camelo, então o guia prontamente se posiciona para começar a fotografar e nos passar as informações de onde devemos ficar para que pareça estarmos “sentados” no camelo.

Então você pula uma, duas, três vezes; até que sai algo parecido com isso. 

Deserto de Dalí
Deserto de Dalí

Depois é a vez da “Taça da Copa do Mundo” e pedra e mais pedra. O lugar é enorme e claro que têm a sua beleza, mas se torna um pouco cansativo.

Essa é a Taça da Copa do Mundo: Você consegue enxergar?
Essa é a Taça da Copa do Mundo: Você consegue enxergar?

Depois seguimos para a Laguna Negra. O guia nos deixa em um local e nos diz para caminharmos em torno de 30 a 40 minutos até chegarmos a laguna e então encontrá-lo do outro lado. Durante o caminho tivemos que subir em pedras para podermos ir em frente. Este é o momento do passeio em que respiramos melhor, os pulmões parecem se abrir. Mas pareceu mesmo que era uma estratégia para encher o dia, rs.

A Laguna Negra
A Laguna Negra

Neste dia a gente viu bastante plantação de Quinoa. Os dois guias que tivemos durante o passeio tinham um pedacinho de terra onde cultivavam a quinoa e nos contavam com bastante alegria que a época da colheita estava chegando e que ganhariam um valor legal para ajudar na renda da família.

Nosso almoço no segundo dia foi  em um povoado bem simples, mas tudo direitinho. E depois teve mais uma paradinha para apreciar a bela natureza boliviana.

Parque Nacional Eduardo Avaroa
Parque Nacional Eduardo Avaroa

Chegamos em Julaca uma região já desabitada. Casas, trem e cemitério abandonados. Foi uma paradinha bem rápida, só para fotos.

Julaca: Casas, trem e cemitério abandonados
Julaca: Casas, trem e cemitério abandonados

E a nossa hospedagem foi no Hotel de Sal. Ao contrário do que muitos falavam teve banho quente, pago a parte. Nunca comi tanto na vida como nessa noite e teve direito a vinho ❤️ Tudo ótimo.

VALOR GASTO NO HOTEL DE SAL:  10 bolivianos = aproximadamente 5 reais.

3ª dia: Isla del Pescado, Salar de Uyuni, Museu de Sal, Monumento das Bandeiras, Cemitério de Trens de Uyuni, Cidade de Uyuni e volta para San Pedro de Atacama

Nascer do sol na Isla del Pescado. Coisa linda de se ver e as imagens dizem tudo…

Nascer do sol no Salar de Uyuni visto da Isla del Pescado
Nascer do sol no Salar de Uyuni visto da Isla del Pescado

O passeio para a Isla del Pescado começa bem cedo por volta das 5 da manhã. A gente saiu do Hotel de Sal com céu ainda bem escuro e muito estrelado. Realmente incrível. ❤️ Subimos a Isla del Pescado onde aguardamos o nascer do sol. A Isla é cheia de cactos gigantes que chegam até 10 metros de altura. É um visual deslumbrante.

Café da Manhã no Salar de Uyuni
Café da Manhã no Salar de Uyuni

Tomamos um belo café da manhã com o nosso grupo já nos pés do salar. Todos os dias no café da manhã teve chá de coca, chá de vários sabores, café solúvel, achocolatado, leite, pão, bolo, biscoito. Realmente farto e tudo preparado com carinho pelo guia.

E finalmente chegou o tão sonhado dia de conhecer o Salar de Uyuni! Teve muito frio, um carro apertado, mas quando você vê este lugar, faz tudo valer a pena. É realmente único, fantástico, encantador.

Salar de Uyuni
Salar de Uyuni

Se você têm vontade de conhecer, venha! Muitas pessoas ficam com medo e inseguranças, como nós também ficamos, mas se planejar direitinho, você não vai se arrepender. Vale muito a pena!!!

O Salar de Uyuni é conhecido como o maior deserto de sal do mundo. Localizado no sudoeste da Bolívia, próximo de cidades como Uyuni e Potosí, ele tem cerca de 12.000 km² de extensão e está a 3.600 m de altitude. Essa planície de sal foi formada em um lento processo; há milhares de anos existiam lagos nessa região, a água dos lagos então evaporou e resultou na paisagem no deserto que hoje se vê.

A maior parte do ano o Salar fica todo seco, porém, no período chuvoso (verão), você pode ter a sorte de encontrá-lo alagado… se isso acontecer, prepare-se para admirar um espetáculo inesquecível. Alagado, o deserto é como um espelho, reflete o céu, as nuvens e até as estrelas durante a noite.

Perrengues e um pouco de emoção fazem parte da viagem ao Salar de Uyuni, um lugar de belezas incontestáveis e paisagens deslumbrantes.

Essa é a hora de “voltar a ser Criança”, rsrs. É super divertido brincar no Salar de Uyuni e fazer milhões de fotos.

Salar de Uyuni
Salar de Uyuni

Sem contar que qualquer foto neste lugar fica bonita.  Eita lugar fotogênico.❤️ É ou não é uma lindeza este lugar? O Salar de Uyuni deixa qualquer um apaixonado. Lindo demais.

Ficamos cerca de 1 hora no salar tirando fotos e depois seguimos para o Monumento das Bandeiras. Onde você encontra bandeira de vários países e não pode faltar uma fotinho. Lá também fica o Museu de Sal que é uma visita super rápida.

Monumento das Bandeiras
Monumento das Bandeiras

Aqui acontece o famoso Rali Dakar. Imagino como deve ser difícil para um piloto novato dirigir nessa imensidão branca. rs.

Dakar
Dakar

Este é o Cemitério de Trens de Uyuni e também a nossa última parada do passeio.

Cemitério de Trens de Uyuni
Cemitério de Trens de Uyuni

O passeio termina entre meio-dia e uma hora da tarde; então vamos almoçar e depois o guia nos deixa no centro de Uyuni.

Do nosso grupo só nós dois voltaríamos para San Pedro de Atacama, o restante seguiu para La Paz. É possível comprar a passagem para La Paz em Uyuni, porém o ônibus só sai à noite.  Durante à espera, deu para conhecer um pouco da cidade de Uyuni.

Quanto custou o nosso tour pelo Salar de Uyuni?

  • Preço do pacote incluindo alimentação, passeio e hospedagens (por pessoa): R$ 676,00
  • Valor gasto na Imigração Boliviana (por pessoa): R$ 7,00
  • Entrada no Reserva (por pessoa): R$ 70,00
  • Banho no Hotel de Sal (por pessoa): R$ 5,00

TOTAL GASTO POR PESSOA: R$ 758,00

Como é a cidade de Uyuni na Bolívia

Infelizmente, não temos coisas boas para falar de Uyuni. Chegamos lá com muito medo, pois praticamente não existem relatos positivos sobre a cidade. Após o almoço, nosso retorno atrasou um pouco, ficamos aguardando até às 17 horas o carro que nos levaria, pois a volta seria com outro guia. E com o nosso grupo, decidimos que não ficaríamos ali e partimos para conhecer um pouco da cidade. As duas suíças seguiram para um hostel e as duas mineiras ficaram conosco, pois ficariam aguardando a saída do ônibus em direção à La Paz.

Passamos pela praça principal, paramos para descansar num barzinho e conhecemos uma enorme feira. Não há muito o que fazer e conhecer em Uyuni. É apenas um lugar de passagem que ficou muito famoso pelo Salar de Uyuni. A cidade tem uma “cara” bem bagunçada, várias ruas não haviam pavimentação e o banheiro público estava num estado lamentável. Em praticamente todos os relatos, o recado é para não dar bobeira nas ruas de Uyuni, pois é um lugar muito perigoso.

Retorno para San Pedro de Atacama

Embarcamos em um novo carro e guia por volta de 17h. Este guia também foi muito simpático e muito interessado em saber coisas sobre o Brasil.

Jantamos e dormimos na mesma hospedagem do primeiro dia. Saímos no dia seguinte às 04:30 da manhã em direção a fronteira com o Chile. Lá tivemos que aguardar todo o processo da imigração que demorou um pouquinho, pois estava bastante cheio. Depois fomos transferido para uma van que nos levou até San Pedro de Atacama. E o guia recebeu um novo pessoal que levaria para fazer o passeio pelo Salar.

De volta ao Chile passamos novamente pela imigração. O motorista da van ficou conosco todo o tempo. Dessa vez, além de analisar a documentação, nossa bagagem passou pelo raio x e a van também foi inspecionada.  Estava tudo ok. Não é permitido a entrada de alimentos abertos e o pessoal que faz essa verificação é muito sério, não sendo tolerante e não permitido brincadeiras.

Nosso passeio foi feito com a Cruz Andina e o nosso motorista/guia foi o Edgar. Recomendamos demais! Pessoa super experiente, gente boa mesmo. Sim, o carro é bem apertadinho para seis pessoas e torna tudo um pouco mais cansativo. Foram 3 noites e 4 dias de passeio. E apesar de já “aclimatados” pela passagem no Deserto do Atacama, altitude acaba afetando. Tínhamos muito receio com esse passeio, pois a maioria dos comentários que você encontra na internet é negativo. Mas, graças a Deus foi tudo perfeito. Tivemos banho quente todos os dias, comida farta e gostosa; boas hospedagens. Vimos muitas pessoas de outras agências, almoçando no sol, mas nós tivemos um local reservado para almoçarmos todos os dias e no último dia almoçamos na casa do nosso guia. Saiu tudo melhor do que o esperado. Valeu muito a pena!

Passamos a tarde no Hostal La Casa de Matilde. Não temos como agradecer toda a hospitalidade de Matilde e José. Eles ficaram com nossa mala durante o passeio e quando retornamos apesar de não terem quarto vago, eles nos deixaram ficar no hostel, tomar banho na casa deles e lavar nossa roupa. Não quiseram receber nada por isso. Foram uns verdadeiros amores. Às 20hs pegamos o ônibus para Arica, para de lá seguirmos para o Peru em direção ao próximo destino: Machu Picchu!

Existem viajantes de todos os tipos, assim como existem viagem para todo gostos. Aproveite a vida, viaje e click! 

** Viagem realizada em abril/16.

Comments

comments

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *